quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

NOVEMBER RAIN





NOVEMBER RAINGuns N' Roses
Composição: Axl Rose e Slash


Chuva

De Novembro

Quando olho nos seus olhos

Vejo um amor contido

Querida, quando a tenho nos braços

Sabe que sinto a mesma coisa?

Nada dura para sempre,

Sabemos os dois que o coração

Pode mudar

É difícil manter acesa a chama

Na chuva fria de novembro.

Vivo este drama há muito tempo,

Tentando livrar-me da dor

Mas sei que amantes sempre vêm e vão

Ninguém ao certo sabe quem deixa quem

Ir-se embora

Se eu e você, pudéssemos

Dar um tempo

Eu poderia esfriar a cabeça,

Sabendo que você seria minha, toda minha.

Assim, se me quiser amar, querida,

Não se reprima

E jamais me irei embora

Na chuva fria de novembro.

Precisa de um tempo... para ficar solitária?

Precisa ficar um tempo... sozinha?

Todos precisam às vezes... ficar solitários.

Não acha que deve ficar um tempo... sozinha?

Sei que é difícil manter o coração aberto

Quando até os amigos parecem dispostos a nos prejudicar.

Mas se você pudesse curar um coração partido,

O tempo não pararia para a encantar?

Às vezes, preciso de um tempo... para mim mesmo.

Às vezes, preciso de um tempo... totalmente sozinho.

Todos precisam de um tempo... para si mesmos.

Não percebe que precisa de um tempo... totalmente sozinha?

E quando seus temores se acalmarem

E as sombras ainda permanecerem,

Sei que me poderá amar

Quando não sobrar ninguém para inculpar.

Assim, não se preocupe com a escuridão,

Ainda podemos encontrar um caminho.

Porque nada dura para sempre,

Nem mesmo a chuva fria de novembro.

Não acha que precisa de alguém?

Não acha que precisa de alguém?

Todos precisam de alguém.

Não é a única.

Não é a única.





terça-feira, 29 de dezembro de 2009

O MORRO DOS VENTOS UIVANTES





O MORRO DOS VENTOS UIVANTES

Kate Bush


Nas charnecas, nos pântanos tempestuosos,

Costumávamos deitar e rolar no verde.

O teu temperamento era igual ao meu ciúme:

Ardente demais, ávido demais.

Como pudeste deixar-me,

Quando eu precisava possuir-te?

Eu te odiei. Eu te amei, também.


Pesadelos à noite

Disseram-me que eu ia perder a luta,

Se abandonasse o meu Morro,

O Morro dos Ventos Uivantes.


Heathcliff, sou eu, Cathy,

Estou indo para casa. Que frio!

Deixa-me entrar pela tua janela.


Oh, está ficando escuro! Ermo, vazio,

Do outro lado, longe de ti.

Sinto a tua falta. Sinto que o destino

Não se cumprirá sem ti.

Estou voltando, amor.

Cruel Heathcliff, meu único sonho,

Meu único senhor.


Há muito, venho vagando pela noite.

Estou voltando para resolver tudo.

Estou voltando para o Morro,

O Morro dos Ventos Uivantes.


Oh, deixa-me ter,

Deixa-me levar a tua alma!

Oh, deixa-me ter,

Deixa-me levar a tua alma!

Sabes que sou eu, Cathy!

Gif animate Buon Anno



segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

BELO, BELO



BELO, BELO

Manuel Bandeira



Belo, belo, minha bela,

Tenho tudo que não quero

Não tenho nada que quero

Não quero óculos nem tosse

Nem obrigação de voto

Quero quero

Quero a solidão dos píncaros

A água da fonte escondida

A rosa que floresceu

Sobre a escarpa inacessível

A luz da primeira estrela

Piscando no lusco-fusco

Quero quero

Quero dar a volta ao mundo

Só num navio de vela

Quero rever Pernambuco

Quero ver Bagdá e Cusco

Quero quero

Quero o moreno de Estela

Quero a brancura de Elisa

Quero a saliva de Bela

Quero as sardas de Adalgisa

Quero quero tanta coisa

Belo belo

Mas basta de lero-lero

Vida noves fora zero




sábado, 26 de dezembro de 2009

ADEUS! CARO DEMAIS TE POSSUÍA SHAKESPEARE



ADEUS! CARO DEMAIS TE POSSUÍA

William Shakespeare - Soneto 87



Adeus! caro demais te possuía,

sabes a estimativa em que te trazem;

carta de teu valor dá-te franquia,

meus vínculos a ti já se desfazem.



Como reter-te sem consentimento

e onde mereço essa riqueza grada?

Falece a causa em mim de tal provento

e a patente que tenho é revogada.



Deste-me, sem saber do teu valor,

ou quanto a mim, a quem o deste, errando,

e a dávida que em base errada for

volta a casa, melhor se ponderando.



Tive-te assim qual sonho de embalar,

um rei no sono e nada ao acordar.





quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

MAR E AMOR PIERRE DE MARBEUF




MAR E AMOR

Pierre de Marbeuf (1596-1645)


Mar e amor, ambos têm do amor quinhão igual,

O mar traz o amargor e o amor traz o amargar,

Afundamos no amor e afundamos no mar,

Pois no mar e no amor deságua o temporal.





E quem tem pavor da água habite o litoral,

Quem tem pavor da mágoa advinda só de amar,

Não permita que o amor o consiga inflamar,

E assim ninguém irá naufragar ao final.





A mãe do amor saiu do leito azul do mar,

A sua mãe sai da água e o fogo sai do amor,

Mas a água contra o fogo a ninguém pode armar.





Se o braseiro do amor pudesse a água apagar

Estando o meu por ti fervilhante de dor

Com o mar do meu pranto, apagava-lhe o ardor.









quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

TUDO QUE HÁ DE BOM LUIZA POSSI



TUDO QUE HÁ DE BOM


Luiza Possi


Meu amor

Não tem freios

Nem receios de errar

Só entende os segredos

Que pude revelar...

Eu senti no teu beijo

Meu prazer acordar

Tinha fogo e desejo

Não, não quis mais parar...

O amor pegou de jeito

Bateu fundo no peito

Foi paixão

Não teve culpa nem medo

De viver só de ilusão

O amor pegou de jeito

Bateu fundo no peito

Foi paixão

Eu só quis prá mim

Tudo que há de bom

Tudo que há de bom...

Nosso amor deu sentido

Ao que eu sempre sonhei

Transformou meu destino

Me deu mais do que eu dei...

Nunca mais vou ser triste

Sei que me superei

Fui além dos limites

Dentro e fora da lei...

O amor pegou de jeito

Bateu fundo no peito

Foi paixão

Não teve culpa nem medo

De viver só de ilusão

O amor pegou de jeito

Bateu fundo no peito

Foi paixão

Eu só quis prá mim

Tudo que há de bom

Tudo que há de bom...

O amor quando acontece

Te encanta e dá prazer

Te enlouquece

Tua vida vira um filme

Que só você pode ver..,

Atenção:

-"O amor não é um vício

Nem vive só de sexo

O amor quer te

Surpreender"...

O amor pegou de jeito

Bateu fundo no peito

Foi paixão

Não teve culpa nem medo

De viver só de ilusão

O amor pegou de jeito

Bateu fundo no peito

Foi paixão

Eu só quis pra mim

Tudo que há de bom

Tudo que há de bom...